Críticas | A Primeira Profecia

“A Primeira Profecia” estreou em 4 de abril nos cinemas brasileiros.

Críticas A Primeira Profecia
Nell Tiger Free é a protagonista do filme. (Foto: Reprodução)

Prelúdios de franquias de horror não são novidades dentro do audiovisual. Seja para explicar acontecimentos anteriores com personagens conhecidas ou eventos canônicos para o público, esses projetos viraram uma maneira de explorarem os universos sem reescrever a história já contada.

A Primeira Profecia (The First Omen, no título em inglês) é o prelúdio do filme A Profecia, lançado em 1976 nos cinemas e que ganhou algumas sequências e remakes ao longo do seu caminho. O filme é centrado em Margaret Daino (Nell Tiger Free, Servant), jovem estadunidense que viaja até Roma, em 1971, para se ordenar e começar sua vida de serviço à Igreja. Porém, ela encontrar uma força sombria que a faz questionar sua própria fé e, no processo, descobre uma conspiração que deseja provocar o nascimento do mal encarnado.

Com mais gore e cenas traumáticas do que sustos, o filme de Arkasha Stevenson busca mostrar os elementos que fizeram o filme de 1976 popular, enquanto também apresenta os detalhes para quem está conhecendo agora a franquia. A tensão cresce conforme Margaret descobre a conspiração e seu papel dentro dela, reconhecendo alguns sinais de sua própria trajetória em outra jovem do convento.

Ralph Inesson (A Bruxa) mostra ser um dos rostos para o gênero. Como Padre Brennan, vivido por Patrick Troughton no filme original, o ator transmite as perturbações do que descobre e como enxerga à Igreja após tais fatos. Enquanto isso, Bill Nighy e Sônia Braga estão aterrorizantes (de maneiras distintas que fogem das questões de sustos) como Cardeal Lawrence e Irmã Silva, respectivamente.

O enredo também se apoia no período de greves em Roma, utilizando a desordem pública para acrescentar a tensão estabelecida pela narrativa. Além disso, a escala de como os eventos se desdobram também ganham força ao longo dos 119 minutos de duração, brincando até mesmo com cronologia até os momentos de revelações para o público.

Assim, A Primeira Profecia consegue ser um bom antecessor de A Profecia, sabendo onde e como encaixar (através de uma ótima direção de Stevenson) os elementos que fizeram o filme original um queridinho pelo público do gênero. O longa-metragem será capaz de traumatizar em cenas específicas e os elementos gráficos sanguentos são capazes de construir o enredo e explorar, novamente, conspirações envolvendo a Igreja Católica.

A Primeira Profecia estreou em 4 de abril, nos cinemas brasileiros.

Nota:
Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.

Descubra mais sobre Entre Séries

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading