Resenhas| Desventuras em Série – 1ª temporada

A adaptação correta do relato de Lemony Snicket sobre as crianças Baudelarie.

Desventuras em série acerta ao tratar de forma cômica e um pouco de sobriedade a histórias dos Baudelarie.
Desventuras em série acerta ao tratar de forma cômica e um pouco de sobriedade a histórias dos Baudelarie.

 

Quando foi anunciado que Desventuras em Série, obra de Lemony Snicket (pseudônimo de Daniel Handler), seria um seriado pela Netflix, muitos se lembraram do filme de 2004 com Jim Carrey e Meryl Streep no elenco que, apesar de ter ganho um Oscar pela maquiagem, não foi algo que os fãs dos livros esperavam.

Diferente da película, a série sabe explorar os livros em que foram baseados. Em oito episódios, quatro são adaptados. Patrick Walburton faz o trabalho do narrador (ou Snicket, se preferir) e mostra a vida de infortúnios dos Baudelaurie desde a suposta morte de seus pais.

As crianças fazem um trabalho consistente. Malina Weissman e Louis Hynes possuem boa química como irmãos, e conseguem sobressair em cenas importantes. A pequena Sunny é um alívio cômico incomum. A bebê é esperta e funciona em diversos momentos da série.

O grande destaque, porém, é Neil Patrick Harris como Conde Olaf e seus três outros personagens.  Em quebras de quarta parede, fazer menção que é melhor ver seriados a filmes e como se transforma para cada interpretação dentro da interpretação, Harris demonstra o quão bom é para o papel.

Junto com um elenco de apoio sensacional, desde K. Todd Freeman como Poe, Don Johnson como Sir, Alfre Woodard como Josephine e Joan Cusack como a Juíza Strauss. Participações que agregam e não apenas como acessórios. O mais surpreendente, porém, foi ver Colbie Smulders e Will Arnett como “Mãe” e “Pai”, junto com o twist presenciado logo no sétimo episódio.

A cinematografia da série impressiona. Com um toque de Wes Anderson e cenários que lembram algo que Tim Burton gostaria, o seriado sabe que precisa identificar cada livro de uma maneira. A começar com a forma como mostra a casa de Olaf sendo totalmente sombria, enquanto a cidade (e a casa de Strauss) são coloridas.

Desventuras em série acerta ao tratar de forma cômica e um pouco de sobriedade a histórias dos Baudelarie. Mais que isso, o seriado desenvolve interessantes momentos para intrigar sobre o olho (que está tatuado no tornozelo esquerdo de Conde Olaf), a luneta e o livro sobre Organizações Secretas. Quem conhece os livros – em uma pequisa simples conseguem serem encontrados -, sabe que há mais que foi mostrado e que teremos surpresas na segunda temporada.

 

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: