Coprodução entre HBO Latin America e Filme Equador traz a história do futebol no Brasil.

Adriano é um dos entrevistados da série documental.
Adriano é um dos entrevistados da série documental.

O brasileiro é apaixonado por futebol. Independente se assista ou não os jogos, há – e sempre terá – algo no esporte que seja intrigante o suficiente para ver 90 minutos de uma bola rolando e dois times. O espaço dedicado para o esporte na TV é gigantesco, maior que qualquer outro praticado no país, e é quase totalmente explicado em O Negro no futebol brasileiro, nova série documental que será exibida na HBO.

Com inserções do livro escrito por Mario Filho em 1947, o projeto traz a história do futebol no Brasil e como o negro foi inserido aos poucos. Com o fim da escravatura em 1888, o esporte criado na Inglaterra veio com estudantes em 1894. Com historiadores, o documentário mostra sempre como era uma segregação, um espaço não compartilhável.

Focando no estado do Rio de Janeiro – onde Filho escreveu boa parte do livro -, a série consegue trazer um aspecto novo ao mostrar a história. Sem necessidade de grandes malabares narrativos, o documentário utiliza a fala de jogadores como CafuAdriano, Dadá MaravilhaRomário, além de trazer sempre paralelos com momentos históricos (como a I Guerra Mundial e como era inverso no mundo da música, trazendo depoimento de Gilberto Gil).

Há como trazer paralelos até com o momento atual do Brasil, onde no lugar de “Pó de Arroz”, vem – de toda a América Latina, sejamos sinceros – cânticos racistas e xenofóbico de torcidas.

Em quatro episódios, o documentário também explora Leônidas da Silva – o primeiro jogador negro a fazer uma propaganda -; a ascensão de Pelé em 1958 e o período depois de sua aposentadoria; e como o futebol europeu também traz manifestações racistas com atletas negros.

A coprodução entre HBO Latin AmericaFilmes Equador estreia amanhã, dia 30 de agosto, às 21h.

 

 

 

Anúncios

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.